Projeto intercultural de fronteira será implantado nas escolas municipais de Foz do Iguaçu

Share Button

Uma parceria entre a Prefeitura de Foz do Iguaçu, Unila, Unioeste e Instituto Federal do Paraná (IFPR) vai possibilitar a implantação do Projeto Intercultural de Fronteira nas escolas da Rede Municipal. A proposta é oferecer um método alternativo de aprendizagem da língua espanhola por meio de um intercâmbio cultural, onde os alunos terão contato com a música, as lendas, as tradições e os costumes de países latino americanos.

De acordo com o vice-prefeito Nilton Bobato, a proposta é iniciar os trabalhos no início do ano letivo, no dia 6 de fevereiro, em pelo menos sete escolas. “Durante o ano vamos avaliando os resultados, e gradativamente implantando em outras escolas interessadas”, adiantou.

O projeto não começou agora. Ele foi desenvolvido ao longo do segundo semestre do ano passado na Escola Municipal Padre Luigi, na Vila C. A formação dos professores ocorreu de forma paralela, e hoje 70 docentes do município já estão capacitados para ministrar as aulas. Eles participaram de oficinas oferecidas pela Unila sobre ensino intercultural, identidade, língua espanhola e cultura dos povos latino americanos.

“O idioma espanhol será um suporte do projeto, mas a ideia é valorizar a identidade e as culturas locais, que fazem parte da rotina dessas crianças, já que vivemos em uma fronteira”, destacou o secretário de educação, Fernando Lima.

Uma reunião foi realizada na manhã desta quinta-feira (11) no gabinete do vice-prefeito Nilton Bobato para definir o inicio das atividades. Uma comissão também será criada para organizar a implementação do projeto e avaliar o desenvolvimento.

Além do vice-prefeito, participaram do encontro o secretário municipal de educação, Fernando Lima; a professora do IFPR Marcia Pessini; a professora de espanhol da Unila, Jorgelita Tallei; a doutoranda em letras da Unioeste, Adriana Glasser; a professora da Unioeste, Viviana Flores e o diretor do campus da Unioeste Foz, Fernando Martins. Os educadores das três instituições compõem o Grupo de Pesquisa “Linguagem, Política e Cidadania” da Unila.

Por: AMN