Paulo Bernardo marido de Gleisi Hoffmann deve substituir Samek na Itaipu

Share Button

Paulo Bernardo marido de Gleisi Hoffmann deve substituir Samek na Itaipu

Duas indicações de petistas para ocupar cargos na presidência da Itaipu e no conselho da Anatel causaram críticas da oposição, e até mesmo de senadores da base de apoio do governo. A análise deles é de que a presidente Dilma Rousseff erra ao enviar nomes políticos num momento em que ela é criticada por aparelhar a administração.

O ex-ministro Paulo Bernardo foi escolhido por Dilma para assumir a presidência de Itaipu, como adiantou nesta segunda-feira (17) a coluna Panorama Político, de Ilimar Franco. Paulo Bernardo vai substituir Jorge Sameck, que ocupa o cargo desde o primeiro mandato do presidente Lula. O nome dele já está na Casa Civil e passou pelo Ministério de Minas e Energia. A nomeação está na cota do PT. Paulo Bernardo foi ministro do Planejamento no governo Lula e das Comunicações no primeiro mandato da presidente Dilma.

Já o ex-senador Aníbal Diniz (PT-AC), que ocupou o cargo por quatro anos na vaga de Tião Viana, eleito governador do estado em 2010 e reeleito em 2014, foi indicado para compor o conselho diretor da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) na vaga de Jarbas Valente, que deixou o cargo em novembro do ano passado. Além dele, Dilma também sugeriu o advogado Otávio Luiz Rodrigues Júnior, que trabalhou na consultoria jurídica do Ministério das Comunicações quando o senador Eunício Oliveira (PMDB-CE) era o ministro. Rodrigues Júnior entrará na vaga de Marcelo Bechara, que deixou a função no último dia 13.

Paulo Bernardo foi deputado federal (PR), secretário da Fazenda do ex-governador Zeca do PT (MS) e Secretário da Fazenda da prefeitura de Londrina (PR). Ele é casado com a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). Sua estreia na vida política se deu pela diretoria do Sindicato dos Bancários do Paraná. Bernardo foi eleito deputado federal pelo Paraná em três legislaturas (1991–1995, 1995–1999 e 2003-2005).

Um senador da base aliada disse que a presidente erra ao encaminhar o nome de Paulo Bernardo para a Itaipu no momento em que a Polícia Federal investiga o pagamento de R$ 7,2 milhões para escritórios do advogado Guilherme Gonçalves. O escritório coordenou juridicamente as campanhas de Gleisi, nos anos de 2008, 2010 e 2014.

O advogado é suspeito de receber pagamentos e propinas ligados à atuação da empresa de tecnologia Consist no Ministério do Planejamento. Segundo a Polícia Federal, os pagamentos ocorreram após a assinatura de um acordo de cooperação entre o ministério, a Consist e a Associação Brasileira de Bancos e Sindicatos de Entidades Abertas de Previdência Privada para gerir o sistema de empréstimo consignado da pasta. Na época, Paulo Bernardo era o ministro.

“Esse não é o melhor momento para enviar um nome como o do Paulo Bernardo, uma vez que a PF levanta suspeitas sobre uma pessoa que é do relacionamento dele”, disse o senador governista.

Um outro senador, também da base governista, acredita que o nome do ex-ministro não terá dificuldades. Mas ele criticou a indicação de Aníbal Diniz, de quem nem lembrava — apesar de ser senador há dois mandatos.

“ Nomes como esse não ajudam a construir uma unidade”, criticou.

Já o líder do DEM, Ronaldo Caiado (GO), foi duro na análise:

“Neste momento, por conta do clima que o país vive, o nome do Paulo Bernardo vai enfrentar dificuldades no Senado”, avaliou. “A presidente deveria indicar nomes técnicos, qualificados e não de um partido político. Ele não tem conhecimentos técnicos para dirigir uma empresa tão importante, para debater políticas energéticas para o país.”

Ao ser perguntado sobre a indicação de Aníbal, Caiado foi sarcástico: “Quem é Aníbal? Se ele é desconhecido como político, imagina como técnico!”

Fonte texto: Gazeta do Povo
Foto: Boca Maldita