MPF dá mais 90 dias para Polícia Federal investigar Lula

Share Button

O Ministério Público Federal concedeu mais 90 dias de prazo para que a Polícia Federal conclua inquérito policial que investiga a relação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com empreiteiras envolvidas na Operação Lava Jato. O prazo inicial venceria no último dia 1° de julho, mas, agora, a Polícia Federal tem até o final de setembro para concluir o inquérito.

O objeto da investigação policial é apurar a legalidade dos repasses das empresas Odebrecht, Camargo Corrêa, UTC, Queiroz Galvão, Andrade Gutierrez e OAS à LILS Palestras, Eventos e Publicações LTDA, empresa de palestras do ex-presidente Lula.

Segundo a Polícia Federal, a empresa de Lula recebeu, R$ 9,3 milhões das principais empreiteiras do país, sem a comprovação da realização de todas as palestras pelas quais foi remunerada.

A Polícia Federal justifica o pedido de prorrogação do prazo por conta da reabertura das investigações da 24ª fase da Operação Lava Jato, em junho, depois que o processo foi devolvido à primeira instância pelo Supremo Tribunal Federal.

Segundo a PF, o material obtido nos mandados de busca e apreensão da 24ª fase, batizada de Alethéia, deflagrada em março, será útil à investigação e ainda não foi completamente analisado pela força-tarefa da Operação Lava Jato. O delegado Eduardo Mauat da Silva, que era responsável pelo inquérito antes de ser afastado da Lava Jato, mas ainda é o signatário da petição, alega que sequer conseguiu, até agora, reunir-se com a equipe que cumpriu os mandatos.

O pedido de extensão do prazo foi protocolado junto à 13ª Vara Federal de Curitiba. O Ministério Público Federal esclarece, no entanto, que, como não há acusados presos e nem solicitação de novas diligências à Justiça, o inquérito é, conforme entendimento do próprio juiz Sérgio Moro, um procedimento de competência apenas dos órgãos de investigação, não necessitando de uma decisão da Justiça para ter seu prazo prorrogado.

Após a conclusão do inquérito, o Ministério Público analisará o documento produzido pela Polícia Federal para decidir se oferece ou não denúncia contra o ex-presidente no caso dos honorários recebidos por palestras às empreiteiras.

Fonte: Paraná Portal