Ministério Público continua investigando Paulo Rocha por suposta apropriação de salário de assessor

Share Button
Foto: CMFI
Foto: CMFI

O vereador de Foz do Iguaçu Paulo Ricardo da Rocha foi eleito em 2012 pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB) com 3.690 votos. Rocha tem demonstrado que veio somente para representar a região Sul da cidade, já que a maioria das suas ações são voltadas para a região do Porto Meira.

Durante os três anos de mandato, Rocha se envolveu em diversas polêmicas como: usar modelitos nada comuns, ir a câmara em cima de um cavalo, apresentar requerimento para investigar ITAIPU que é a maior geradora de energia elétrica do mundo e exemplo de gestão, entre outras altercações polêmicas.

Atualmente, o parlamentar é investigado pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) por ato de improbidade administrativa, segundo a denúncia de Alexandro Rodrigues Paredes que foi seu assessor e que exerceu a função no período de junho de 2013 a agosto de 2014, Rocha apropriava-se do seu salário. Segundo o processo, o assessor parlamentar recebia apenas R$ 2.000,00 mensais, devolvendo o restante da remuneração mensal líquida, que era de aproximadamente R$ 5.300,00, ou seja, o vereador ficava com R$ 3.300,00.

Ainda segundo o denunciante, ele teve que fazer um empréstimo de cerca de R$ 46 mil e repassar ao edil quitar dívidas de campanha. Sendo assim, entende-se que Paulo Rocha enriqueceu-se de forma ilícita, apropriando-se indevidamente das remunerações de seu subordinado, conforme os valores expressos no quadro abaixo:

Tabela - MPPR
Tabela – MPPR

 

Denota-se, portanto, que o parlamentar desviou em seu favor, o montante de R$ 51.530,22 à título das remunerações do seu subordinado.

O MP apura essas e outras denuncias em desfavor do vereador. Ao invés de se preocupar com a ITAIPU que é um órgão federal, talvez Paulo Rocha tenha que se atentar em manter sua conduta ilibada diante da sociedade e exercer o seu papel de fiscalizador do executivo com afinco.

(Com informações do Ministério Público)