Legislativo autoriza inclusão da PPP da saúde no orçamento de 2016

Share Button
Foto: CMFI
Foto: CMFI

O Legislativo aprovou em 1ª e 2ª discussões o projeto de lei 144/2015, versando sobre a viabilidade no orçamento para realização da parceria público-privada no ano subsequente. Após longa discussão entre os parlamentares e manifestação de representantes sindicais e população, os Vereadores aprovaram com 9 votos favoráveis e 5 contrários, dos parlamentares: Anice (PT), Gessani da Silva (PP), Luiz Queiroga (DEM), Nilton Bobato (PCdoB), Paulo Rocha (PSB).

A base oposicionista da Casa defendeu voto contrário ao PL. “O que estamos fazendo aqui é regularizar uma ilegalidade. Alteramos o orçamento sem alteração na LDO. O nosso grande de temor é que se continua fazendo negócio com a saúde. Essa Câmara tem a última oportunidade de discutir esse trâmite. É preciso acabar com os negócios políticos da saúde e cumprir o que rege a norma do SUS, isso é o que resolve a saúde de Foz do Iguaçu”, ressaltou o Vereador Nilton Bobato (PCdoB).

“A Fundação Municipal está sendo um ralo onde vai muito recurso. Os custos e os gastos que temos hoje nos Hospitais (Hospital Municipal e Hospital Costa Cavalcanti) chegam a 66 milhões de reais só na saúde-fim. A impressão que dá é que a Prefeitura preparou o caos. Teve mercenário na saúde pública, pessoas que vieram de fora. Como é que vai fazer gestão se foi perdida a credibilidade quando pessoas de fora assumiram a Fundação?”, enfatizou o Vereador Gessani da Silva (PP). “Infelizmente o Executivo está querendo levar a saúde ao abismo, porque o caos ela já está”, afirmou a Vereadora Anice (PT).

Com posicionamento diferente dos vereadores que se manifestaram anteriormente, o Vereador Dilto Vitorassi (PV) destacou: “A saúde precisa mudar a gestão, porque da forma que está não dá. O que falta privatizar ainda na saúde? A sociedade espera de nós outra postura e estamos lutando para colocar a saúde pública nos eixos”.

“Estamos diante de uma situação que precisa ser tratada com maturidade porque o que está em discussão aqui é a saúde do município. E desde o fechamento da Santa Casa, o qual foi um crime, uma barbaridade, porque bem ou mal ela estava funcionando. Depois, o município chamou para si a responsabilidade de um Hospital para atender toda a região. E de lá para cá tivemos as experiências da O.S. Vejo que temos de ter a tranquilidade e saber que milhares de pessoas de Foz estão dependendo desse Hospital Municipal. Não temos de ter medo de inovar”, destacou o Vereador Zé Carlos (PMN), ao defender o projeto.

“O que a oposição está falando é em ter responsabilidade. O que acontece é que a parceria que está vindo lá de fora não disse para que vem e para que veio. Não temos aqui nenhuma referência e se estivermos enganados que nos mostrem o que podem fazer. Que fique claro que a oposição só está querendo debater um projeto que o futuro da saúde de Foz do Iguaçu”, afirmou o Vereador Luiz Queiroga (DEM), pelo bloco de oposição.

Também com voto contrário à matéria, o Vereador Paulo Rocha (PSB) explicou seu posicionamento na tribuna. “Estou chegando à conclusão que problema é a administração. A verdade é só uma, porque recursos têm. Nós somos criticados há três anos por conta da situação da saúde”, Paulo Rocha (PSB). O PL foi aprovado e segue para sanção do Executivo.

Por: CMFI