Instituto Konsultta desafia Justiça e divulga pesquisa manipulada

Share Button

O Instituto Konsultta, de Foz do Iguaçu, desobedeceu neste domingo (26) uma decisão liminar que suspendeu a divulgação de uma pesquisa feita com dados manipulados e erros técnicos. Mesmo proibida por decisão do juiz Roberto Ribas Tavarnaro, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), a empresa divulgou o resultado distorcido em post no Facebook.

A Justiça Eleitoral alerta que a divulgação da pesquisa está vetada e não poderá ser feita por nenhum veículo de comunicação, sob pena de pagamento de multa solidária com o Instituto Konsultta no valor de R$ 53 mil. Nem mesmo blogs ou sites da Internet poderão dar publicidade aos números manipulados.

De acordo com a decisão do juiz, a pesquisa foi realizada com dados distorcidos das estratificações quanto ao sexo, idade e grau de instrução do eleitorado, que estão no site do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Também deixou de especificar a fonte sobre a estratificação em relação à faixa de renda por eleitor.

Além disso, o Intituto Konsultta não especificou claramente a margem de erro da pesquisa no registro feito no TSE. Num texto confuso e incoerente, o instituto primeiro afirma que a margem de erro é de 3% para mais ou para menos. No mesmo parágrafo, porém, o índice apresentado é de 4%.