Estado deposita R$ 10 milhões extras para combate ao mosquito Aedes aegypti

Share Button
Foto:Venilton Küchler/SESA/AEN
Foto:Venilton Küchler/SESA/AEN

O Governo do Paraná depositou nesta terça-feira (29) os R$ 10 milhões extras destinados a combater o Aedes aegypti. Os valores foram repassados do Fundo Estadual da Saúde aos fundos municipais dos 299 municípios que têm altos índices de infestação do mosquito transmissor da dengue, chikungunya e zika vírus.

“O repasse emergencial foi anunciado pelo governador Beto Richa antes do recesso de fim de ano e a partir de hoje as prefeituras já podem utilizá-lo para contratar agentes de endemias, comprar insumos e organizar mutirões, entre outras ações de controle do mosquito Aedes aegypti”, disse o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto.

Os valores repassados vão de R$ 8 mil até R$ 400 mil, dependendo do número de habitantes do município. Na 5ª Regional de Saúde (Guarapuava), por exemplo, alguns municípios vão utilizar os recursos na contratação temporária de agentes de endemias. Esse é o caso de Rio Bonito do Iguaçu, que pretende incorporar três profissionais por um período de 89 dias.

A maioria dos municípios comunicou às Regionais de Saúde que vão aplicar o dinheiro extra para confecção de material informativo, compras de equipamentos de proteção individual, insumos para diagnóstico, combustível e outras despesas no controle do mosquito.

MOBILIZAÇÃO – Caputo Neto lembra que o combate à dengue, e às demais doenças transmitidas pelo mesmo mosquito, é uma tarefa coletiva. “O poder público tem seu papel de vigilância, mas se a sociedade civil não cooperar, essa batalha não será vencida. O perigo aumentou e o cuidado deve aumentar mais ainda”, disse.

Nesse sentido, a Secretaria Estadual da Saúde encaminhou a todos os municípios paranaenses correspondência alertando para a necessidade de se manter a população mobilizada.

“Todo dia 9 de cada mês é o Dia Estadual de Mobilização Contra a Dengue (Lei Estadual 17.675/2013), No dia 9 de janeiro, que será um sábado, pode ser uma grande oportunidade para que os municípios envolvam associações, clubes de serviço, igrejas e toda a comunidade para mais uma vez alertarmos para a necessidade de mantermos nossas casas, quintais e locais de trabalho livres de focos de água parada”, disse o diretor-geral da Secretaria da Saúde, Sezifredo Paz.

NÚMEROS – Desde agosto deste ano, foram confirmados no Paraná 1.281 casos de dengue, a maioria nas regiões Norte e Oeste. Dos 399 municípios do Estado, 86 tiveram casos de dengue confirmados. Até o momento, pelo menos quatro cidades já estão em situação de epidemia – Munhoz de Mello, Santa Isabel do Ivaí, Itambaracá e Guaraci.

Para a chefe do Centro Estadual de Vigilância Ambiental, Ivana Belmonte, as pessoas também devem prestar atenção em como deixam a casa enquanto estão em viagem de férias. “É importante vistoriar a casa antes de sair e não deixar exposto nada que possa acumular água, como objetos jogados no quintal ou mesmo vasos de plantas sem areia nos pratinhos”, alertou.

Segundo Ivana, outra dica importante é manter ralos e vasos sanitários vedados enquanto estão fora de uso. “O forte calor combinado com água parada é o que o mosquito pracisa para se reproduzir. Por isso, ao retornar da viagem, é necessário uma nova checagem para verificar se não existem focos do mosquito em sua residência”, finaliza Ivana.

Fonte: AEN