CPI da Pecúlio suspende depoimentos para preparar processante do Reni Pereira

Share Button

Os integrantes da Comissão Parlamentar de Inquérito – CPI, que investiga as denúncias apresentadas pelo Ministério Público Federal- MPF e que culminou na operação Pecúlio da Polícia Federal de Foz do Iguaçu, definiu na reunião de hoje (28) pela suspensão dos trabalhos de tomada de depoimentos até o dia 5 de julho, prazo em que a CPI deverá apresentar o relatório parcial dos trabalhos realizados até o momento e que deverá constar o pedido de instalação de uma Comissão Processante – CP e consequente afastamento imediato do Prefeito Reni Pereira (PSB).

Estavam previstos para serem ouvidos pela CPI o ex-diretor de obras e pavimentação da prefeitura de Foz, Girnei de Azevedo, bem como os ex-secretários de Tecnologia da Informação e o de Obras, Melquizedeque de Souza e Carlos Juliano Budel, o empresário Euclides de Moraes Júnior, o ex-diretor jurídico da Fundação Municipal da Saúde, Túlio Bandeira e o empresário do ramo de informática, Sandro Saito.

Todos os depoimentos foram suspensos para que a comissão possa se debruçar na elaboração do relatório parcial dos trabalhos. “Com a delação premiada de alguns integrantes do suposto esquema de corrupção e com a ratificação do depoimento concedido ao MPF, no dia de ontem, do ex-diretor Aires Silva, a comissão entende ter elementos suficientes para emitir o relatório parcial dos trabalhos”, disse Nilton Bobato (PC do B), integrante da CPI.

Em reunião, os parlamentares definiram por apresentar ao plenário um relatório detalhado das ações para poder sustentar a tese do indicativo de instalação da CP. “Possivelmente estaremos pedindo ao presidente da casa a convocação dos demais vereadores para, em sessão especial, analisar o relatório que pedirá a instalação da Comissão Processante. Até a próxima sexta-feira, estaremos oficializando o rito oficial do relatório bem como a necessidade deste pedido de convocação extraordinária”, disse o relator do Processo, Vereador Edílio Dall’Agnol (PSC).

Caso seja acatado o pedido de instalação de uma Comissão Processante pelo plenário da Casa, o presidente Fernando Duso (PT), deverá realizar um sorteio para a escolha dos integrantes que irão compor os trabalhos da CP. O vereador, ou os vereadores integrantes da CPI Pecúlio, que assinarem o relatório preliminar ficarão impedidos de votar ou participar da Comissão Processante. Uma vez instalada, existe m procedimento interno necessário para que haja tempo hábil de indicação do presidente e relator da CP, dentre os vereadores sorteados, bem como existirá um trâmite oficial de comunicação ao Prefeito Municipal que deverá ser convocado para prestar depoimento e terá o direito à ampla defesa. Segundo o Presidente da CPI, Dilto Vitorassi (PV), a justiça Federal já liberou a chave de acesso ao inquérito aberto contra o Prefeito Municipal e que revela o depoimento de Reni. “Com a liberação deste processo, que corre em segredo de justiça e em uma instância em separado, vamos agora cruzar os dados com os depoentes da CPI e da Polícia Federal e relatar os fatos que são pertinentes aos atos colhidos até então.

Acreditamos ter elementos suficientes para solicitar o afastamento imediato do gestor público, até porque a cidade precisa andar e ao meu ver estamos estagnados no tempo desde quando se deflagrou a Operação Pecúlio em nossa cidade”, disse Vitorassi em entrevista aos veículos de comunicação. O relatório parcial da Comissão Parlamentar de Inquérito será apresentado até o dia 5 de julho e será lido e discutido em plenário, caso necessário.

Por: Comunicação da CMFI