Caminhoneiros preparam paralisação na segunda (9) e pedem renúncia de Dilma   

Share Button

Caminhoneiros preparam paralisação na segunda (9) e pedem renúncia de Dilma

Convocados por meio das redes sociais e de aplicativos de mensagens, caminhoneiros autônomos de todo o país prometem iniciar na segunda-feira (9) uma paralisação por tempo indeterminado. Com adesão incerta, dessa vez o bloqueio nas estradas é motivado por questões políticas e não por uma pauta de reivindicações da categoria. O grupo que organiza a greve pede a renúncia da presidente Dilma Rousseff.

A convocação é liderada pelo Comando Nacional do Transporte, movimento que se declara independente de sindicatos e se organiza através das redes sociais. A página do grupo no Facebook foi criada em dezembro de 2014 pelo caminhoneiro autônomo Ivar Luiz Schmidt, que aparece em vídeos ao lado de grupos anti-Dilma como Vem Pra Rua, Brasil Livre, Avança Brasil e Revoltados On Line.

“Nossa principal reivindicação neste momento é a renúncia da presidente Dilma Rousseff. Porque o governo dela recebeu a nossa pauta de reivindicações no mês de março. A reivindicação mais fácil de ela ter atendido era a exclusão das multas do pessoal que estava na greve anterior. Não foi atendida. Então dona Dilma, senhor Cardozo e senhor Lula, agora os caminhoneiros acordaram e vão acordar o país também”, diz Schimidt em um dos vídeos postados na página do grupo, que tem cerca de 31,6 mil curtidas.

Diferentemente da greve de fevereiro deste ano, a paralisação da próxima semana não tem o apoio dos sindicatos da categoria. A Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) informou que o atual movimento é induzido por intenções políticas e que acredita que isso desvia o foco das reivindicações legítimas da categoria.

“Entendemos que o modo de fazer paralisação não é esse, sem uma pauta clara e sem sindicatos. A partir do momento em que pessoas que se dizem lideranças utilizam a insatisfação dos caminhoneiros para bloquear rodovias para promover a queda da presidente, não há como a CNTA apoiar”, informou a entidade por meio de sua assessoria de imprensa.

Negociação

A ausência de uma pauta de reivindicações e lideranças unificadas nos bloqueios do começo do ano já haviam complicado a negociação entre os caminhoneiros e o governo federal. Na ocasião, os manifestantes reclamavam da alta do preço do diesel e também pediam a criação de uma tabela única nacional de preços de frete; a prorrogação das dívidas contraídas com a compra de caminhões e a isenção da cobrança de pedágio para eixos suspensos.

Segundo a CNTA, parte das promessas feitas pelo governo não foram cumpridas, mas a entidade destaca que houve avanços e que o canal de negociação se manteve aberto. “A gente não gostaria da adesão dos caminhoneiros na paralisação, mas acredita que vai acontecer sim. O que preocupa são os dias parados que são prejuízos para os caminhoneiros e também as multas por conta dos bloqueios”, afirmou a confederação. Existem hoje cerca de 1 milhão de caminhoneiros autônomos no país.

Federações consideram momento “inoportuno”
O presidente da Federação das Empresas de Transporte de Cargas do Estado do Paraná (Fetranspar), Sérgio Malucelli, considera a iniciativa inconveniente. “Entendemos que a insatisfação com o governo é geral, mas não é por causa disso que temos que inviabilizar as rodovias num momento em que temos que trabalhar”, diz.

Segundo Malucelli, as reivindicações tradicionais dos caminhoneiros são legítimas, mas o atual movimento se vale de ferramentas pouco comuns, como ligações anônimas. “As reivindicações sempre foram legítimas, agora quando se começa a fazer movimento para fechar rodovias prejudicando terceiros, inviabilizando o direito de ir e vir do cidadão, e tudo isso para tirar um governo, não dá”, afirma.

O presidente da Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), Ágide Meneguette, afirma que a paralisação não atinge somente os produtores, mas prejudica também os consumidores pelo desabastecimento. “Lamento que no momento em que o país vive uma crise sem precedentes tenhamos que enfrentar uma greve que pode agravar ainda mais a já péssima situação econômica. Já enfrentamos recentemente uma greve em que milhões de litros de leite foram jogados fora, além dos hortigranjeiros que sofrem prejuízos por não poderem transportar sua mercadoria”, diz.

Fonte: Gazeta do Povo